“Todos acham que eu falo demais E que ando bebendo demais” – Canecão Apresenta Maysa

Foto: Divulgação

No último post falei sobre Vicente Celestino, que faleceu em 1968. No ano seguinte, 1969, Maysa subia ao palco do Canecão para apresentar seu show que acabou virando disco. Maysa Matarazzo foi uma das maiores cantoras deste país e sua vida está retratada em série de TV e biografia. Acho que o Canecão Apresenta: Maysa, é o disco da cantora que mais me chamou a atenção.

Maysa faleceu jovem, tinha 40 anos quando sofreu um acidente de carro na ponte Rio-Niterói. Todavia, deixou uma história de vida incrível. Era dona de uma voz poderosa e de uma interpretação visceral. Maysa cantava o que sentia. Isso está por toda parte em sua obra, iniciada de forma beneficente em 1956.

O disco mais badalado da Maysa talvez seja o Ando Só Numa Multidão de Amores, de 1970. Este gravado ao vivo no canecão foi lançado no ano anterior, 1969. E abre com um pot-pourri de Demais (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), Meu Mundo Caiu (Maysa) e Preciso Aprender a Ser Só (Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle). Três canções espetaculares. Meu Mundo Caiu é genial. Autoria da própria Maysa.

Sei que você me entendeu
Sei também que não vai se importar
Se meu mundo caiu
Eu que aprenda a levantar

Meu Mundo Caiu – Maysa

A faixa seguinte é Pra Quem Não Quiser Ouvir Meu Canto (César Roldão Vieira), uma belíssima letra que ganha força com a identificação da letra com a vida de Maysa. Por Causa de Você (Tom Jobim e Dolores Duran) e Dindi (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira) é a terceira faixa. Outro pot-pourri.

A quarta música do álbum é de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, Se Você Pensa. Seguida de Ne Me Quiette Pas, do Jacques Brel, imortalizada por Edith Piaf e com uma interpretação clássica de Maysa. Inclusive a versão da Maysa foi utilizada pela TV Globo para a abertura da minissérie Presença de Anita. A sexta música do disco é do The Doors: Light My Fire (Jim Morrison, John Densmore, Robert Krieger e Ray Mazarek).

“Olhe, meu bem, nunca mais nos deixe por favor
Somos a vida e o sonho, nós somos o amor
Entre meu bem, por favor
Não deixe o mundo mau te levar outra vez
Me abrace simplesmente
Não fale, não lembre, não chore meu bem”

Por Causa de Você – Maysa

Chão de Estrelas (Sílvio Caldas e Orestes Barbosa) é a música que vem na sequência. Ela é de 1937 e é um clássico da MPB. Maysa apresenta o terceiro Pot-pourri do show na oitava faixa. São três composições próprias. Tarde Triste, Meu Mundo Caiu e Ouça. O disco se encaminha para o final com Eu E A Brisa (Johnny Alf), Dia de Vitória (Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle), Dia Das Rosas (Luiz Bonfá e Maria Helena Toledo) e encerra o álbum Se Todos Fossem Iguais a Você (Tom Jobim e Vinícius de Moraes).

A história da Maysa é belíssima e ela está entre as maiores cantoras brasileiras. Não tem como falar de música e ignorar seu talento. Eu destaque canecão Apresenta Maysa por que me identifico mais com ele, mas toda a discografia dela está disponível nas plataformas digitais e merece ser explorada.